OS CENÁRIOS PARA STORAGE SECUNDÁRIO

OS CENÁRIOS PARA STORAGE SECUNDÁRIO

Compartilhe:

 

Não faz muito tempo que comprar armazenamento era uma questão simples de obter hard disks suficientes, do tamanho certo, para atender às necessidades de desempenho e capacidade de cargas de trabalho individuais.

Nos últimos anos, o conceito de uma estrutura de armazenamento secundário foi adotado, no qual os dados são atribuídos ao armazenamento primário ou ao armazenamento secundário, dependendo da importância da execução das cargas de trabalho.

Ao analisar mecanismos de proteção de dados mais tradicionais, podemos ver que em muitos casos, os ambientes de backup eram considerados como segunda prioridade, em comparação com os ambientes de produção. Eles não precisavam de flash drives rápidos, mas precisavam de capacidade. Em outras palavras, a TI criou uma camada separada de infraestrutura para a proteção de dados. O motivo é que os ambientes de backup normalmente não precisam do nível de desempenho exigido com a frequência dos sistemas de missão crítica.

O armazenamento secundário contém todas as cargas de trabalho que não requerem armazenamento primário para funcionar. O armazenamento primário tem então, seu foco concentrado em velocidade e capacidade suficientes para executar as cargas de trabalho críticas e o armazenamento secundário executa todo o resto. Em muitos casos, embora os sistemas de armazenamento secundário provavelmente ainda utilizem em um grau SSDs baseados em flash, o foco do armazenamento secundário é mais voltado para garantir capacidade suficiente para todas essas cargas de trabalho secundárias.

 

 

  O Storage secundário na proteção de dados 

A proteção de dados é considerada uma missão crítica da TI, encarregada de garantir que os ativos de dados da organização permaneçam em produção e estejam disponíveis para quem os precise. Modernamente, o armazenamento secundário está em sua essência estreitamente alinhado com a proteção de dados.

Cibercriminosos não são capazes de bloquear o armazenamento secundário por meio de ransomware, devido à forma com a qual os dados são armazenados, que não são expostos por meio de protocolos tradicionais ou interfaces acessíveis.

Mesmo que um hacker de alguma forma consiga ver um diretório e bloqueá-lo no nível do usuário, um administrador do sistema pode simplesmente recuperar o diretório para um ponto no tempo diferente. Isso preserva todos os dados de arquivos, credenciais de segurança e estruturas de diretórios conforme eles estavam antes do ataque.

O conceito de armazenamento secundário é relativamente novo, mas a tecnologia por trás dele evoluiu nos últimos anos. Utilizando tecnologias de snapshot e objeto, o armazenamento secundário permite que as empresas protejam arquivos em intervalos regulares.

Além de proteger compartilhamentos de arquivos, diretórios e outros conteúdos não estruturados, o armazenamento secundário também pode ser usado como uma metodologia de backup e recuperação de desastres, bem como ambientes para desenvolvimento e teste de aplicativos, arquivos e análises.

Para reduzir os custos de armazenamento, as empresas podem consolidar todos esses ambientes em uma única plataforma de armazenamento secundário unificada, que permite que todas as instâncias de armazenamento secundário sejam gerenciadas a partir de uma única exibição de console.

 

 

  O problema da fragmentação dos dados 

Como os volumes secundários continuam a crescer exponencialmente, fazer backup, gerenciar e a extrair insights a partir desses dados estão se tornando cada vez mais importantes para as empresas, especialmente se você pensar em recuperação de desastres, conformidade, segurança e no uso desses dados para melhorar a experiência do cliente.

Entretanto, um problema aparece com esse crescimento: a fragmentação em massa de dados, condição em que os dados ficam tão isolados (no local, na nuvem e na ponta), que é quase impossível gerenciar ou obter insights em longo prazo.

 VansonBourne - Secondary Data Market Study

VansonBourne - Secondary Data Market Study

Uma solução que se apresenta são as plataformas convergentes, em que os clientes podem unificar esses silos de dados e gerenciar facilmente backups, arquivos, análises, testes e desenvolvimento, compartilhamentos de arquivos e armazenamentos de objetos a partir de um único painel.

 

 

  Usos comuns para uma estrutura de Storage secundário 

Vamos dar uma olhada nos casos de uso mais comuns, que podem ter exigido anteriormente uma camada separada de infraestrutura, mas que agora podem ser mesclados em uma estrutura de armazenamento secundária:

 

Serviços de arquivos

Não subestime o papel do servidor de arquivos. Em algumas organizações, é uma coleção prática e bem organizada de arquivos e pastas. Em outras empresas, é um depósito para tudo. Independentemente disso, os serviços de arquivos geralmente exigem muita capacidade e não precisam de muito desempenho. Essa baixa demanda por desempenho o torna um caso de uso ideal para o armazenamento secundário.

 

Análise de dados (Analytics)

A análise de dados requer que os dados sejam copiados para um local onde possam ser estudados. Esse lugar precisa ter muita capacidade e também pode precisar de velocidade. Os atuais sistemas hiperconvergentes de armazenamento secundário podem incluir flash, para que não seja preciso implantar uma infraestrutura completamente separada para suportar este caso de uso.

 

Multi-cloud

É claro que uma nuvem pode ser uma camada de armazenamento, quando você desejar usá-la dessa maneira. Entretanto, você pode ir muito mais fundo se levar o armazenamento secundário convergido para a equação. Algumas soluções de armazenamento secundário convergente oferecem à sua organização uma malha híbrida ou multi-nuvem completas, permitindo que você suporte uma variedade maior de casos de uso em uma ampla variedade de ambientes. Esse recurso geralmente traz recursos de recuperação de desastres centrados na nuvem para o seu ambiente.

 

 

  Conclusão 

 

Em muitos aspectos, uma estrutura de armazenamento secundário é simplesmente uma consolidação de todos os ambientes não primários em uma única camada escalável, que é executada junto ao ambiente principal. Porém, antes de dar o salto para o armazenamento secundário, dê uma olhada no que você está executando em sua organização e considere as necessidades dessas cargas de trabalho individuais. Procure o apoio de uma consultoria experiente, que lhe ajude a tomar a melhor decisão para sua organização.